Portal da Cidade Sinop

É DE SINOP

Conheça Boninne Monalliza; a Fonoaudióloga mais procurada pelas mães e gestantes

Hoje, 09 de dezembro, é o dia do profissional de Fonoaudiologia. E para homenagear, conversamos com uma das profissionais mais requisitadas pelas gestantes

Postado em 07/12/2018 às 21:27 |

Ambiente para psicopedagogia

Recepção - Clínica Elo

Sala de exames - Clínica Elo

Você sabia que a fala é o instrumento mais poderoso do ser humano? Se sabia, então você tem a certeza de que ter uma boa dicção é fundamental nos dias de hoje, mas “saber falar” não é um processo tão fácil. A linguagem é o modo de concretização de um pensamento. Organizá-lo e falá-lo requer muita prática e atenção. Por isso, no século XXI, a profissional Fonoaudióloga é tão importante.

A área pertencente a saúde estuda métodos de prevenção e terapias relacionados a problemas de comunicação oral e escrita, voz, audição e psicomotricidade. E os primeiros testes já começam na infância, onde o desenvolvimento oral precisa ser observado e acompanhado com atenção e com uma boa profissional. 

Pensando assim, o Portal da Cidade Sinop conversou com Boninne Monalliza Brun Moraes, fonoaudióloga há 25 anos. Descobrimos os desafios e as aptidões que requerem para ser uma boa profissional da área. 


CONHEÇA:

Com 44 anos de idade, Boninne Monalliza Brun Moraes é fonoaudióloga há 25 anos. Filha de médico e administradora, percebeu sua vocação em uma formatura de uma prima que se formava em fonoaudiologia. Na época, a profissão não era conhecida. Mesmo assim, formou-se em Londrina e hoje é considerada uma das melhores na área em Sinop. “Quando estava na graduação e dizia que fazia “Fono”, as pessoas me perguntavam o que era e trabalhava com quê... Rádio? Música? Não se tinha o conhecimento da área de atuação da profissão.", relatou.

No caminhar de sua formação, ela nos contou que a cidade, onde cursava já tinha uma ideia da área, pois a universidade tinha parceria com a prefeitura em projetos, mas outras cidades, como Maringá, o caminho ainda precisaria ser desbravado. Após sua conclusão, abriu uma clínica com uma psicóloga e começou a trilhar seu caminho de sucesso. 

Em 1998, Monalliza e sua família mudaram-se para Sinop. Em menos de um mês, a fonoaudióloga já estava empregada em uma clínica da cidade e começou seus trabalhos em atendimentos diversos. Com o tempo, resolveu abrir sua própria clínica, que hoje atende dezenas de pessoas. Além disso, atua em projetos de prevenção neonatal em um Hospital de renome em Sinop e recentemente concluiu seu mestrado em Linguística. 

ROTINA E MERCADO DE TRABALHO


Para Monalliza, a rotina de uma fonoaudióloga requer muito estudo, tendo em vista mudanças e avanços tecnológicos que ajudam e muito no desenvolvimento da profissão. Além de gostar de trabalhar com pessoas, principalmente com crianças. “No começo da carreira, até entender do que realmente gosta, o profissional precisa ser generalista, atender a todas as patologias; Mas com o tempo, poderá optar por determinada área dentro da fonoaudiologia (Fluência, Audiologia; Neuropsicologia, Fonoaudiologia do Trabalho, Fonoaudiologia Neurofuncional, Gerontologia, Linguagem, etc), além da escolha de onde quer trabalhar, como clínicas, hospitais, escolas ou prefeituras.”, concluiu.

Quando perguntamos sobre o mercado de trabalho, a fonoaudióloga nos disse que hoje o mercado está melhor do que quando começou, pois muitos profissionais como otorrinos, clínicos, pediatras e professores sabem da importância deste profissional e fazem os encaminhamentos. “Hoje o mercado está bem melhor. Claro que os grandes centros há uma desvalorização dos honorários profissionais, devido a lei de oferta e procura que em geral ocorre nos locais onde possuem os cursos de formação, inflando o mercado de trabalho. Mas exclusivamente em nossa região, percebemos que as prefeituras estão cientes da necessidade e carentes de um profissional da área em suas cidades, mas não encontram”, disse Monalliza.

Em seguida, indagamos qual seria a maior dificuldade da profissão. Para Boninne, é o fato de alguns pacientes não finalizarem as sessões de terapias, pois quando sentem melhoras, param de fazer. “O Paciente precisa concluir todo o processo de fonoterapia, pois quando percebem melhoras, evadem e isso pode ser prejudicial.”, observou. 

OUTROS CAMPOS

A Boninne hoje atende em um hospital de grande porte na cidade. Sua função é de extrema importância, pois organiza e participa de ações voltadas às gestantes e mamães, que possibilitam um acompanhamento mais saudável do desenvolvimento infantil. “A fono, como em meu caso, já começa a ser inserida dentro da UTIs pré-natal em Hospitais de grande complexidade, pois se uma criança nasce prematuramente não tem o processo de sucção, por exemplo, não sabendo se alimentar. Com isso, entramos com exercícios de estímulos da musculatura e função orofacial para a criança aprender o processo. Além disso, pessoas que sofreram traumatismo cranioencefálico ou acidentes vascular cerebral necessitam de estímulos o mais precocemente possível para reverter as funções afetadas.”, finaliza Monalliza.


Ainda sobre as crianças, para a Boninne, o teste da orelhinha foi um avanço importante para a profissão, pois garante um método de prevenção e ajuda, desde o nascimento, a detectar problemas auditivos, garantindo procedimentos eficazes para um melhor desenvolvimento. 

DICAS PARA QUEM TRABALHA COM A VOZ

Para a fonoaudióloga Boninne, quem trabalha com a voz, precisa estar sempre hidratado. “Tem de tomar água sem sede, pois se apresentar, é porque o organismo já chegou no limite. Tem de se hidratar. Se você utiliza a voz para trabalhar, não tem jeito, o melhor remédio é a água.”, orientou. 

QUEM PODE IR À FONOAUDIÓLOGA? 

Qualquer pessoa pode se consultar, desde que tenha indicação. De acordo com a Monalliza, não há necessidade de passar em um médico para pedir uma guia para consulta, pois se a mãe está com dúvidas sobre o processo de fala de seu filho, pode procurar diretamente uma fonoaudióloga. 

PARA AS MAMÃES

Algumas pesquisas brasileiras já parametrizam idades em que as crianças já deveriam estar com o processo formado de fala. Monalliza orienta que há ainda um período para ocorrer o processo de desenvolvimento da fala e linguagem, que varia um período de tempo de criança para criança, mas aos 4 anos ou no máximo 4 anos e meio este processo deve estar completo, para que não haja dificuldades no processo de aquisição da leitura e escrita. 

CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA ELO


Boninne há 10 anos criou a clínica de Fonoaudiologia Elo, que hoje é referência em exames auditivos como audiometria e imitanciometria. Há também psicopedagogia e psicologia. 

Se você quer tirar uma dúvida sobre seu filho, ligue e agende uma consulta.

Endereço: R Orquídeas, 930 - Centro

Fone: (66) 3532-3669

Fale agora com a Fonoaudióloga e tire suas dúvidas.

Boninne Monalliza / Fonoaudióloga

ATENÇÃO

"Há ainda um período para ocorrer o processo de desenvolvimento da fala e linguagem, que varia um período de tempo de criança para criança, mas aos 4 anos ou no máximo 4 anos e meio."

Boninne Monalliza / Fonoaudióloga

Impressões


O Portal da Cidade Sinop parabeniza todos os profissionais da área de fonoaudiologia, em especial a Boninne Monalliza. Queremos agradecer a excelente conversa que tivemos e aproveitamos para dizer que Sinop ganhou muito com sua vinda. 

Monalliza é uma excelente profissional e que ficamos impressionados com sua inteligência e sabedoria enquanto conversávamos.

Desejamos ainda mais sucesso e que todos os seus sonhos se realizem. 


Fonte:

Deixe seu comentário